Notícias

Paraguai suspende entrada de carretas bitrens brasileiros

10/01/2019

Segundo o Ministério de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai, a proibição da entrada das bitrens seria o cumprimento de uma reivindicação da Federação de Caminhoneiros do país vizinho.

O Ministério de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai suspendeu nesta segunda-feira (7) a entrada de carretas bitrens brasileiras no país. A decisão foi comunicada após uma reunião realizada com membros da Federação dos Caminhoneiros do Paraguai. A rota 5, é a principal rodovia das exportações de soja brasileiras que liga Ponta Porã (MS) até o Porto de Concepción, a 220 quilômetros da fronteira.

O ministro Arnoldo Wiens revogou uma resolução que autorizava a circulação dos bitrens brasileiros na Rota Nacional 5 até o porto da cidade de Concepción.

O ministro ainda informou que, a partir de agora, será criada uma mesa de diálogo com todos os representantes do setor para articular uma política de transportes para o país.

Após a reunião, o presidente da Federação de Caminhoneiros do país vizinho, Angel Zaracho, disse que com essa medida, o Governo cumpriu sua promessa de anular a Resolução 74 que permitiu a entrada desse tipo de veículo de grande porte no país, gerando assim uma "concorrência desleal para caminhoneiros locais".

O governo de Mato Grosso do Sul emitiu uma nota sobre o caso e informou que na época foi feito um acordo com o governo paraguaio para que as carretas bitrens pudessem operar na rota Pedro Juan Cabellero até Concepcion, pela Rota 5.

A suspensão, seja por qualquer motivo, questão de transporte local ou questão de estrutura de rodovias, torna praticamente inviável a exportação de soja por Concepcion, segundo o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul, Jaime Verruck.

O governo do estado ainda informou que vai entrar em contato com o governo paraguaio, para discutir o porquê dessa proibição junto com empresas de transportes.

O G1 entrou em contato com a Agência Nacional de Transportes Terrestre pedindo um posicionamento do caso quanto a decisão do governo paraguaio. Até a publicação desta matéria não obtivemos resposta.

Negociações

De acordo com o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul (Setlog/MS), Claudio Cavol, a resolução que autorizava a circulação dos bitrens brasileiros na Rota Nacional 5, foi editada e suspensa pelo ex-presidente Horacio Cartes após uma greve dos caminhoneiros que ocorreu no início de 2017.

Segundo Cavol, o então governo suspendeu a entrada das bitrens brasileiras por um ano até a realização de novos estudos. O atual presidente, Mario Abdo Benítez anulou a resolução em definitivo. Cavol ainda explica que essa decisão não irá prejudicar as exportações sul-mato-grossense, já que essas foram pequenas no ano de 2017, o que totaliza em torno de 50 caminhões de soja.

 Alerta para cinto de segurança desafivelado será obrigatório no Brasil

Contran determina adoção gradual da tecnologia a partir de 2020

Os veículos no Brasil terão de disponibilizar obrigatoriamente tecnologia de alerta para avisar que o cinto de segurança de motoristas está desafivelado.É o que determina a resolução 760 /2018 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

No caso dos assentos dos passageiros, o uso do dispositivo será opcional, mas se caso houver o equipamento, deve seguir as especificações técnicas impostas pelo Contran.A implantação do equipamento será gradual e serve para carros, caminhonetes, vans, caminhões, caminhões-tratores, motor-casa, ônibus e micro-ônibus.A partir de 2020, o dispositivo deve estar presente em todos os veículos leves lançados, sejam nacionais ou importados.

Já a partir de 2021, todos os veículos leves zero quilômetro, mesmo os modelos já em linha de produção antes desta data, deverão ter o equipamento de alerta.No caso dos novos modelos de ônibus, micro-ônibus, motor-home e caminhões, a obrigatoriedade entra em vigor em 1º de janeiro de 2021.Os modelos já em linha de produção destes veículos de grande porte terão de obrigatoriamente ter o alerta sonoro em 1º de janeiro de 2023.

Os veículos cujos assentos dos motoristas contam com sistema de suspensão terão de seguir a determinação a partir de 1º de janeiro de 2024.

Estão desobrigados a ter o dispositivo de alerta sonoro de cinto de segurança desafivelado:
- Veículos como de uso exclusivo fora-de-estrada
- Militares ou de uso bélico
- Veículos de salvamento
- Veículos de fabricação artesanal
- Réplicas e Buggy
- Veículos para aplicações especiais mediante aprovação do DENATRAN.

Todas as notícias
 
 
 
  • Baner DESPOLUIR